Emicida optou por mostrar um lado mais poético e humanista em seu novo álbum intitulado “AmarElo”. Com o título inspirado em um poema de Paulo Leminski (amar é um elo | entre o azul | e o amarelo), o rapper busca – ao longo das 11 faixas – reunir heranças, referências e particularidades encontradas na magnitude da música brasileira e aplicar a elas olhares e aprendizados que acumulou desde o lançamento da sua primeira  mixtape Pra Quem Já Mordeu um Cachorro por Comida Até Que Eu Cheguei Longe (2009). Usando o rap como fio condutor, Emicida soma o clássico ao moderno em uma incursão que ele ousa chamar de neo-samba.

Produzido por pelo curitibano Nave,  AmarElo (volume 1) traz vários artistas convidados, como Fernanda Montenegro, que recita o poema “Ismália” na música homônima, que também tem a participação da cantora Larissa Luz. Já Zeca Pagodinho, a dupla dupla Os Prettos e o grupo japonês Tokyo Ska Paradise Orchestra colaboram no samba-rap “Quem tem um amigo (tem tudo)”. Em “Principia”, o rapper junta-se com Fabiana Cozza (no refrão), Nina Oliveira, Indy Naíse, Marissol Mwaba e com as Pastoras da Comunidade do Rosário. “A natural ordem das coisas” conta com vocais de MC Tha, enquanto que “Pequenas Alegrias da Vida Adulta” traz o piano de Marcos Valle e uma esquete do humorista Thiago Ventura, que encerra a música. “9nha”, por sua vez, vem com a participação de Drik Barbosa. “Eminência parda” conta com Dona Onete, Jé Santiago e Papilon., “Libre” tem as vozes do duo franco-cubano Ibeyi, e por fim Pabllo Vittar, Majur e o sample “Sujeito de Sorte”, de Belchior, contribuem para a faixa-título “AmarElo”. As músicas “Paisagem”, “Cananéia Iguape, Ilha Comprida”, e a faixa-extra “Silêncio” completam o álbum.

Confira o álbum completo 

Anterior Trajetória de Mauricio de Sousa vai virar filme
Próximo Samuel Rosa anuncia saída do Skank, e grupo para por tempo indeterminado

Nenhum comentário

Deixe uma resposta