Por onde passa, a Trupe da Aurora encanta e toca os corações do público levando teatro, música e arte para milhares de crianças, jovens e adultos em diferentes partes do Brasil, apresentando-se em escolas, instituições e projetos especiais de caráter socioeducativo.

O projeto é a realização de um sonho do casal de artistas, Wilson Neto e Léia Batista, que decidiu botar os pés na estrada e viajar pelo País ao encontro do público, utilizando a arte como instrumento transformador e edificador, por meio de um teatro itinerante com conteúdo autoral.

A ideia surgiu em 2012, quando Wilson e Léia eram voluntários, ensinando teatro e música, em uma instituição carente no município de Araranguá, em Santa Catarina, mas foi entre 2013 e 2014 que a Trupe deu início ao projeto de colocar os pés na estrada. Foi então que eles batizaram de Aurora, uma Kombi, que leva a luz da arte por todas as cidades, praças e escolas por onde passam. Sempre muito colorida, a Kombi também é a casa e camarim dos artistas, e foi projetada pelo próprio Wilson, oferecendo a infraestrutura necessária para o casal morar e realizar apresentações.

Com dois anos de estrada, a Trupe da Aurora já fez apresentações em mais de 20 cidades localizadas no Sul de Santa Catarina e na Serra Gaúcha. A última passagem da Trupe foi em Brasília, onde participou da programação infantil de quatro shoppings da região.

Em cada apresentação o casal mostra uma bagagem cultural  diversificada, que abrange stand up comedy, música, livros, CDs, DVD e uma peça infantil educativa, que é o carro-chefe do casal – ‘O Cantador de Histórias – Uma Volta em Mil Mundos’-  que já foi assistida por mais de 13 mil crianças.

Até o final do ano, a Trupe passará por seis estados brasileiros: Goiás, Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, interpretando peças teatrais, personagens autorais e músicas.

O projeto conta com o patrocínio do Cartão Caixa Elo, que valoriza projetos socioeducativos e culturais, e apoio da Caixa Seguradora.

Confira abaixo um vídeo do casal explicando o projeto

 

 

Anterior Documentário retrata a importância do breakdance em comunidades carentes
Próximo Centro Cultural São Paulo recebe Festival SlowMovie

Nenhum comentário

Deixe uma resposta